Zé Renato

Artistas

Zé Renato

Começou sua carreira artística participando de festivais estudantis, amadurecendo ali sua verve de compositor. Depois de diversas iniciativas musicais, em 1976, integrou o grupo Cantares ao lado de Marcos Ariel e Juca Filho, entre outros. Com o Cantares lançou um compacto duplo (1978) pela Funarte, pelo projeto “Vitrine”, tendo como padrinho Toninho Horta. No mesmo ano formou, com Claudio Nucci, David Tygel e Maurício Maestro, o quarteto vocal e instrumental Boca Livre, acompanhando Edu Lobo em diversos shows pelo país.

Em 1979 o Boca Livre grava seu primeiro LP, independente, cujas vendas superaram a marca das cem mil cópias vendidas. O Boca Livre muda sua formação, em 1980, com a entrada de Lourenço Baeta no lugar de Claudio Nucci e lança o segundo LP, “BICICLETA”, (1981), reafirmando projeção nacional e construindo uma vasta discografia.

Paralelamente ao seu trabalho com o Boca Livre, Zé Renato construiu uma carreira solo consistente e participou individualmente de vários projetos musicais. Em 1982 lançou “FONTE DA VIDA”, seu primeiro disco solo, e, em 1984, “LUZ E MISTÉRIO”, ambos pela gravadora Polygram/Philips. A partir daí retoma sua parceria com Cláudio Nucci,lançando o disco “PELO SIM, PELO NÃO”, (CBS) em 1985. Suas canções “Pelo sim, pelo não” (parceria com Claudio Nucci e Juca Filho) e “A hora e a vez” (parceria com Cláudio Nucci e Ronaldo Bastos), gravadas nesse disco, foram incluídas na trilha sonora de “Roque Santeiro”, novela de grande repercussão da TV Globo.

Em 1985 participou da trilha sonora de “O TEMPO E O VENTO” (Som Livre), minissérie transmitida pela TV Globo, gravando as músicas “Rodrigo, meu capitão” e “Dona Bibiana”, convidado pelo autor Tom Jobim.

Sua prolífica parceria com Hamilton Vaz Pereira gerou algumas canções que se tornariam inesquecíveis. Algumas delas foram importantes na formação do repertório da Banda Zil, combo instrumental e vocal formado junto a Cláudio Nucci, Ricardo Silveira, Marcos Ariel, Zé Nogueira, Jurim Moreira e João Batista. Criada no “boom” da música instrumental carioca, a Zil lançou um único LP (“ZIL”, pela Continental) em 1987, de grande repercussão. O disco foi relançado em 1990 pelo selo Verve nos Estados Unidos, Europa e Japão, acrescido de sua canção “Song for the rainforest” (com Claudio Nucci), que entrou na parada de sucessos da revista Billboard.

Em 1988 integrou a banda de Al di Meola, participando da gravação do LP “TIRAMISU” do guitarrista americano. Na sequência, turnês pelos Estados Unidos e Europa. Em 1990 lançou “PEGADAS” (Selo Eldorado), disco solo de acento pop, mas que contou com a emocionante participação de Tom Jobim no clássico “O amor em paz”. Em 1993, fez parte do trio com Victor Biglione e LittoNebbia que gravou em Buenos Aires o disco “PONTO DE ENCONTRO”, lançado no Brasil pela Leblon Records.

Zé Renato ganharia, nos anos seguintes, maior brilho e projeção ao gravar discos dedicados ao repertório de grandes artistas da música brasileira. Primando pela sofisticação de produção e repertório, consolidou-se no primeiro time de intérpretes brasileiros. Assim foi feito no CD “ARRANHA-CÉU” (Velas, 1994), contendo regravações de antigos sucessos de Sílvio Caldas como “Chão de estrelas”, “Se tu soubesses” e “Mulher”, esta última incluída na trilha sonora da novela “Éramos seis” (SBT). O disco foi recebido pela crítica especializada como o melhor lançamento fonográfico do ano. Dois anos depois foi a vez de homenagear o sambista Zé Keti com o disco “NATURAL DO RIO DE JANEIRO” (MP,B), onde faz sua incursão pelo mundo do samba. Curiosamente, este não era um universo desconhecido de Zé Renato, amante que era dos sambas-canções das décadas de 40 e 50.

Este novo momento levou-o a apresentar-se ao lado de Elton Medeiros e Mariana de Moraes com o espetáculo “A ALEGRIA CONTINUA”, gravado ao vivo em 1997 e lançado em CD pela gravadora MP,B/Warner.

Enquanto isso, com o Boca Livre já havia lançado uma série de discos, culminando em 1998 com o CD comemorativo de 20 anos, “BOCA LIVRE CONVIDA” (Indie Records), em turnê que levou o grupo a diversas capitais brasileiras e também ao Summerstage Festival de Nova York (EUA).

Ainda em 1998, convidado pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, Zé Renato apresentou-se, acompanhado por uma orquestra de cordas, no espetáculo “Sílvio Caldas: 90 anos”, realizado no Teatro João Caetano, O show foi apresentado também no Sesc Vila Mariana (SP), sendo gravado ao vivo e lançado em CD pela Indie Records, com apoio cultural da Funarj.

1999 seria um ano muito especial para Zé Renato. Neste ano inicia-se o projeto “Dobrando a  Carioca”, ao lado de Guinga, Moacyr Luz e JardsMacalé. Desde então o quarteto tem feito shows, culminando com o DVD lançado em 2016. Neste mesmo ano gravou “CABÔ” (Indie Records), CD composto de sambas autorais em parceria com Lenine, Pedro Luis e Elton Medeiros, entre outros. Este cd foi lançado na França em abril de 2005 pelo selo Luz Azul.

Em 2000, desligou-se do grupo Boca Livre para dedicar-se a sua carreira solo em franca ascensão. Neste ano lança “FILOSOFIA” (MP,B), contendo canções de Noel Rosa e Chico Buarque, e “MEMORIAL” (Biscoito Fino), trabalho em duo com o maestro e compositor Wagner Tiso. Neste último prestam homenagem em forma de música ao presidente mais musical da história do Brasil: Juscelino Kubitschek. Pesquisado pelos próprios músicos, o repertório do CD percorre este período da história, com músicas que vão dos anos 20 aos 60.

No final de 2003 lançou o cd “MINHA PRAIA” (Biscoito Fino), uma mistura de suas composições mais significativas em sua trajetória com inéditas em parceria com Arnaldo Antunes, Paulo César Pinheiro, Capinan, entre outros. Ainda em 2003 idealizou e produziu o show e cd “SAMBA PRAS CRIANÇAS” (Biscoito Fino), ganhador do Prêmio TIM 2004 de Melhor Disco Infantil. E em 2004 recebeu, pelo disco “MINHA PRAIA”, o Prêmio Rival BR de Música na categoria de Melhor Cantor.

Antecipando as comemorações dos 80 anos de Orlando Silva, realizou em 2004 – no Centro Cultural Carioca e no Teatro Rival, no Rio de Janeiro – três temporadas de sucesso do show “ORLANDO MAVIOSO”, onde interpreta sucessos da época de ouro do Cantor das Multidões. Este show entraria para a galeria dos grandes espetáculos de Zé Renato, apoiado por uma banda de virtuosos, texto de Flavio Marinho e cenários de Lan.

2004 foi o ano de um novo projeto especial, desta vez ao lado do grupo português Trinadus. O disco foi “NAVEGANTES” (no Brasil, pela Biscoito Fino), que junta composições de brasileiros e portugueses num repertório tocante.

Com o show “EU E MEU VIOLÃO” volta aos palcos cariocas em 2005, tocando no Rio de Janeiro, Porto Alegre, Recife, Natal e Fortaleza. E consolidando sua carreira internacional, esteve na França na caravana do Projeto Pixinguinha. Ainda encerrou as comemorações do Ano do Brasil na França, no mês de novembro, integrando o elenco da Sinfonia do Rio de Janeiro no auditório da Unesco, em Paris, e realizando shows de divulgação do cd “CABÔ” na capital francesa e em Marseille.

Em 2006 realizou 4 projetos: o show “ENCONTRO DAS ÁGUAS” com Joyce Moreno; o seu segundo cd infantil “FORRÓ PRAS CRIANÇAS” (pela gravadora Biscoito Fino) que recebeu o Premio Tim 2007 de melhor cd infantil e foi indicado ao Grammy Latino de 2007 na categoria Melhor álbum infantil; a gravação do CD/DVD  “ZÉ RENATO AO VIVO”, com participação especial de Milton Nascimento; e o retorno ao Boca Livre, junto com David Tygel, Maurício Maestro e Lourenço Baeta, em show concorridíssimo no Canecão, gravado e lançado posteriormente como “BOCA LIVRE E AO VIVO” pela gravadora Universal. O DVD foi vencedor do Prêmio Tim 2008 na categoria Melhor Grupo.

2008 marca o lançamento de “É TEMPO DE AMAR” (MP,B), disco em que se aproxima do repertório da Jovem Guarda, ganhador do prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) na categoria Melhor Cantor e o Prêmio da Música Brasileira 2009, categoria Melhor Cantor de Canção Popular, . Em São Paulo, com grande sucesso, realiza o projeto “101 SAMBAS QUE VOCÊ PRECISA OUVIR ANTES DE MORRER”, lotando o Tom Jazz todas as quintas-feiras de janeiro a março. E, para lembrar os 30 anos de morte do cantor das multidões, o show “ORLANDO MAVIOSO” volta a estar em cartaz.

Em 2010 junta-se a Renato Braz para o show/disco “PAPO DE PASSARIM”, gravado ao vivo no Teatro Fecap (SP). No ano seguinte, volta ao disco autoral com “BREVES MINUTOS” (MP,B), onde consolida suas parcerias com Joyce Moreno e Pedro Luís em diversas faixas.

Em 2013 lançou, com o grupo Boca Livre, o cd AMIZADE (vencedor do 25º Prêmio da Música Brasileira).

Seu disco autoral, indepenente,”ZR TRIO – O VENTO NA MADRUGADA SOPROU”, lançado em 2014, ganha o Prêmio da Música Brasileira 2015. Neste disco destaca-se seu lado violonista, além de intérprete e compositor. No ZR Trio é acompanhado de Tutty Moreno (bateria) e Romulo Gomes (baixo).

Em 2016 comemorou 60 anos de idade e 40 de carreira com o lançamento da caixa de 4cds “Anos 80”, pela Discobertas. Além de seus dois primeiros discos solo, a caixa reúne participações e raridades selecionadas deste período, com destaque para o compacto do seu grupo seminal, Cantares, gravado em 1978. Ainda neste ano realizou o projeto “Música +” unindo a música com  especialistas, em diferentes assuntos (cinema, TV, ambiente, futebol, política dentre outros), em várias apresentações.

Em 2017 Zé Renato gravou o cd autoral BEBEDOURO (independente), aclamado pela crítica especializada, trazendo músicas inéditas com os parceiros Paulo Cesar Pinheiro, Joyce Moreno, Moacyr Luz, João Cavalcanti, Nei Lopes, Capinam, Moraes Moreira.

Em 2018, além de seus projetos solo, realizou turnê comemorando os 40 anos de carreira do grupo Boca Livre que lancou, em 2019, o cd independente “Viola de Bem Querer”.

Em 2019, além das apresentações, pelo país, realizou turnê no Japão, com Joyce Moreno.

Durante os seus 43 anos de carreira, Zé Renato vem construindo seu nome com um pé fincado na tradição da música brasileira e outro em seu próprio talento de intérprete, aberto ao novo, mas nunca esquecendo de suas influências. Constam da relação dos intérpretes de suas canções artistas como Zizi Possi, Leila Pinheiro, Milton Nascimento, Lulu Santos, Jon Anderson, Nana Caymmi, MPB-4 e Boca Livre, entre outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *